top of page

Claudia Sheinbaum é eleita a primeira presidente mulher do México com vitória histórica

A cientista climática ganhadora do Prêmio Nobel será a primeira mulher a ocupar a presidência do país

Claudia Sheinbaum, cientista climática ganhadora do Prêmio Nobel, será a primeira mulher a ocupar o cargo de presidente do México, após obter uma vitória eleitoral esmagadora e prometer dar continuidade ao trabalho de seu mentor e líder que está deixando o cargo, Andrés Manuel López Obrador.

Sheinbaum, de 61 anos, obteve entre 58,3% e 60,7% dos votos, de acordo com a contagem rápida de amostras do instituto eleitoral INE divulgada na noite de domingo, o maior apoio obtido por um candidato em uma eleição presidencial mexicana desde o fim do regime de partido único em 2000.

Ao celebrar sua vitória, Sheinbaum agradeceu a López Obrador, chamando-o de “um homem excepcional e único que transformou o México para melhor”.

López Obrador dobrou o salário mínimo, reduziu a pobreza e supervisionou o fortalecimento do peso e os baixos níveis de desemprego – sucessos que o tornaram incrivelmente popular e ajudaram Sheinbaum a vencer. Mas os analistas acreditam que Sheinbaum terá dificuldade em seguir seus passos.

“Fizemos história!”, disse Sheinbaum a uma multidão na manhã de segunda-feira na praça Zócalo, no coração da Cidade do México.

Sua vitória é um passo importante para o México, um país conhecido por sua cultura machista e lar da segunda maior população católica romana do mundo, que durante anos defendeu valores e papéis mais tradicionais para as mulheres.

“É um momento histórico, especialmente para as mulheres”, disse Arlyn Rivera, estudante de 24 anos, enquanto comemorava a vitória de Sheinbaum na praça Zócalo. “A política mexicana merece mais do que o que tivemos nos últimos anos.”

A principal rival da oposição, Xochitl Galvez, admitiu a derrota depois de obter apenas 26,6% a 28,6% dos votos, de acordo com os resultados preliminares.

Sheinbaum, que assumirá o cargo em 1º de outubro, é a primeira mulher a vencer uma eleição geral nos Estados Unidos, México ou Canadá.

O México se junta a países latino-americanos como Argentina, Brasil, Chile, Costa Rica, Honduras, Nicarágua e Panamá, que elegeram mulheres para o mais alto cargo.


Déficit orçamentário

Sheinbaum prometeu expandir as políticas de bem-estar social que impulsionaram a popularidade de López Obrador e seu triunfo, uma tarefa difícil ao herdar um déficit orçamentário pesado e baixo crescimento econômico.

Sua agenda será impulsionada por um amplo apoio no Congresso. Os resultados da contagem rápida mostraram que seu partido governista Morena e aliados estão no caminho para uma possível supermaioria em ambas as casas do Congresso.

Ela prometeu melhorar a segurança, mas deu poucos detalhes, e a eleição, a mais violenta da história moderna do México, com 38 candidatos assassinados, reforçou os enormes problemas de segurança. Muitos analistas dizem que os grupos do crime organizado expandiram e aprofundaram sua influência durante o mandato de López Obrador.

A votação de domingo também foi abalada pelo assassinato de duas pessoas em seções eleitorais no Estado de Puebla. Mais pessoas foram mortas – mais de 185.000 – durante o mandato de López Obrador do que durante qualquer outra administração na história moderna do México, embora a taxa de homicídios esteja diminuindo gradualmente.

“A menos que ela se comprometa a fazer um nível de investimento revolucionário para melhorar o policiamento e reduzir a impunidade, Sheinbaum provavelmente terá dificuldades para conseguir uma melhoria significativa nos níveis gerais de segurança”, disse Nathaniel Parish Flannery, analista independente de risco político da América Latina.


Fonte: Forbes


3 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page