Patricia Suraci: Tenho uma missão no setor de transporte


Acervo pessoal

Trabalho na Ambipar Logistics desde 2011, mas entrei no transporte rodoviário de cargas em 2006 quando ingressei em uma empresa de consultoria do setor.

Depois recebi um convite para uma grande companhia, na qual comecei no controle de frotas, incluindo manutenção, compras e pneus, e após isso, aproveitei as oportunidades que tive para meu encarreiramento. Foi um lugar que me abriu muitas portas.

Na Ambipar, ingressei já com a missão de implementar uma unidade na Bahia e consolidar as operações da região.

Atualmente, estou como gerente regional, respondo por alguns dos principais contratos da empresa, na gestão das operações e equipes administrativas. Essas são algumas das várias atividades. Costumo dizer que um líder, hoje em dia, precisa ser um profissional polivalente.

Nos últimos anos a empresa cresceu muito, e sinto que venho crescendo junto. Lidamos com diversos segmentos de transporte, principalmente, com o de produtos químicos. Fiz vários cursos de qualificação e tenho o hábito de estudar, até porque, esse segmento é bastante exigente.


Acervo pessoal

São mais de 400 legislações aplicadas, então é premissa para quem trabalha nesta área sempre estar atualizado com as normas e atento às especificações.

Ser líder é um desafio em todos os sentidos, e quando se é uma líder mulher no segmento de transportes, considero o desafio ainda maior.

Comprometimento, foco, energia, empenho são qualidades exigidas de qualquer gestor, mas parece que da mulher, especialmente, as equipes esperam uma maior empatia e sensibilidade. Então tento proporcionar isso aos meus colaboradores, que é trabalhoso, mas ao mesmo tempo, excepcional pelas trocas de ideias.

Às vezes, ouço deles situações além na área profissional, eu costumo brincar que é o ‘momento garagem’. Sei também que é importante no retorno dos motoristas ao pátio, que sejam ouvidos e acolhidos, até para saber se estão bem mental, física e emocionalmente.

Acervo pessoal: Treinamento Operacional de Motoristas

Me sinto honrada por liderar uma equipe de pessoas extraordinárias. Falo isso sem demagogia. E o que me deixa mais satisfeita é ver o comprometimento de cada um. Um gestor só é bom se ele tiver uma boa equipe. Ninguém faz nada sozinho.

Mais uma vez, estou coordenando a implementação de uma nova unidade, dessa vez no Espírito Santo. É uma satisfação ver a geração de empregos e o avanço que proporcionamos à região. Me sinto extremamente realizada em estar capitaneando essa expansão, à frente de um processo que impacta a vida de muitas pessoas.

Eu viajo bastante e acabo tendo uma rotina bem dinâmica. Por isso, a proximidade com a família acaba sendo um outro desafio. É algo com o qual eu procuro ficar alerta e se percebo que estou dando muita atenção ao trabalho, tiro um tempo para estar presente com eles. A ideia é sempre equilibrar: vida profissional com o pessoal.

Quem está a mais tempo no transporte rodoviário de cargas sabe que em algum momento lá atrás, nós idealizamos essa mobilização que vemos agora, um engajamento e estímulo à presença de mulheres na liderança de empresas e profissionais mulheres motoristas.

Eu mesma me imagino assumindo um cargo de diretoria. Aliás, venho me preparando para isso, com cursos e estudos. Tenho boas expectativas.

Estou muito ansiosa para isso acontecer: ver a realização do futuro que sonho.

Para isso, acredito que precisamos encorajar outras mulheres a entrar no ramo de transporte. Apoio mútuo é fundamental. A conscientização sobre a equidade de gênero é imprescindível para que a mulher valorize a entrega do seu serviço. Por que desenvolvemos com eficiência as nossas atividades. Parece que a mulher ainda tem mais receio de exigir, de pleitear um cargo de gestão. Duvidando se é capaz ou não. Falo isso, por experiência própria.

Quando recebi o convite para assumir meu primeiro cargo de liderança, feito pelo senhor Hélio Matias, que hoje é o vice-presidente da Ambipar Logistics, eu respondi prontamente para ele que não estava preparada. Embora eu já tivesse experiência em transporte e até certa qualificação.

Acervo pessoal: Patricia e Sr. Helio Matias

Eu dei essa resposta com a maior naturalidade, porque era insegura. Aí ele falou: você assume a função e eu vou te preparar para isso. Eu tive a felicidade de ter essa pessoa incrível que me incentivou, quando nem eu mesma acreditava em mim. Isso foi um divisor de águas em minha vida profissional.

Lógico que tem mérito e empenho meu, pois busquei me desenvolver, aprender a função e a crescer, mas eu tive a sorte de encontrar essa pessoa, que acreditou em mim naquele momento de insegurança. Sou grata a todas as pessoas que me apoiaram direta e indiretamente.


Então esse empoderamento que almejamos passa por nós mulheres internalizamos esse conceito de igualdade de gênero também. Eu me sentia intimidada, cultivava uma barreira própria.

E a minha missão agora é incentivar e inspirar alguém, como um dia aconteceu comigo.

Ano passado, eu tive um quadro grave de Covid-19, fiquei durante um tempo hospitalizada. Tive alta no dia 25 de julho. Dia em que é comemorado o Dia do Motorista.

Acervo pessoal: Integração de novos colaboradores na unidade do Espírito Santo

Como gestora de transporte essa data foi muito simbólica. Foi marcante ter alta em um dia que é tão importante para a maior parte da equipe que eu lidero.

Isso só reforça que eu tenho uma missão nesse setor de transporte.

Por Patricia Suraci, gerente regional na Ambipar Logistics

Conecte-se com a Patricia pelo LinkedIn

644 visualizações2 comentários

Posts recentes

Ver tudo